Resenha: Liturgy – The Ark Work (2015)

“The Ark Work” é um álbum de dividir opiniões. Você já pode ter lido essa descrição uma dezena de vezes, mas este registro parece trazer dúvidas ainda mais profundas sobre a real qualidade presente aqui: mesmo aqueles que o classificam como ‘genial’ tem uma dificuldade em transcrever o motivo para terem chegado a isto, e essas respostas são as mesmas que faltam aos que o taxam como ‘horrível’. Mas afinal, o que instiga essas questões?

A trajetória anterior do Liturgy traz faces quase completamente distintas do que é ouvido aqui: enquanto “Renihilation” (2009) é cru, bruto e utiliza as características mais simplórias que o black metal pode apresentar; “Aesthethica” (2011) foi uma obra de evolução incrível desses aspectos, subestimando os fãs puristas que caíram alí de paraquedas, além de incrementar o lado extremo com elementos de noise e math rock.

Não sei se o passado da banda resultaria no que é apresentado aqui, ou se é tudo um lunatismo do seu líder pseudo-filósofo Hunter Hunt-Hendrix – aquele que outrora pregou o transcendentalismo e espiritualismo do black metal, seja lá o que isso quer dizer -, mas a absurda mescla de gêneros musicais é o ponto chave, e chega ao seu objetivo: o choque. A mistura de canto gregoriano, metal, art rock, hip-hop e música eletrônica não é de uma maneira convencional, tanto que a impressão é que houve uma “colagem aleatória” em cima de batidas pré-programadas, na maioria das vezes.

Essa colagem toda soa ridícula e estranha, ficando entre o orgânico e o artificial, mas parece que há algo oculto que me estimule a clicar no repeat após o final de cada faixa. Um exemplo claro disto é a canção single, “Quetzalcoatl”: com teclados medonhos, um blast beat repentino e o monótono vocal de Hunt-Hendrix, ela cresce de uma forma viajante e bela, por mais estranho que isso possa ser. “Vitriol”, que é praticamente um rap, impressiona pela falta de emoção, mas curiosamente é empolgante. O sentimento de amor-ódio aumenta ainda mais a cada audição, provando ao menos pra mim que esse é um dos trabalhos mais visionários dos últimos tempos.

Tracklist:
1. Fanfare
2. Follow
3. Kel Valhaal
4. Follow II
5. Quetzalcoatl
6. Father Vorizen
7. Haelegen
8. Reign Array
9. Vitriol
10. Total War

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s